Express

A inclusão de pessoas com deficiência na Express Restaurantes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Apesar dos progressos observados nos últimos anos quando o assunto é a inclusão de pessoas com deficiência (PCDs), ainda há muito o que avançar no Brasil para que tenhamos uma sociedade realmente inclusiva. Como consequência, a mesma situação ocorre no mercado de trabalho de maneira geral.

Como forma de demonstrar comprometimento com a causa e também ser uma fonte de inspiração para outras empresas, já que sem dúvida se trata de um desafio coletivo, a Express Restaurantes aborda neste artigo as ações realizadas pela organização para colocar em prática a inclusão na cultura e rotina empresariais.

Além de trazer dados atuais, é abordado o conjunto de esforços de toda organização, que vai além da contratação de PCDs, mas engloba também a adaptação dos restaurantes, o cuidado com essas pessoas e o respeito acima de tudo. Siga lendo para conferir!

Os PCDs no mercado de trabalho brasileiro

A inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho brasileiro está garantida por lei há nada mais nada menos do que 30 anos, mas ainda não é uma realidade. Há três décadas, a Lei de Cotas (8.213/91) estabelece vagas obrigatórias para PCDs nas empresas com cem ou mais empregados. Além de definir a reserva de vagas, que varia de 2% a 5%, traz que o desligamento de um empregado reabilitado ou com deficiência só pode acontecer após a contratação de substituto em condição semelhante.

De acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), em 2018 apenas 51% das vagas reservadas por lei estavam ocupadas, o que representa cerca de 390 mil pessoas com deficiência ou reabilitadas empregadas, enquanto havia 380 mil vagas desocupadas. Ou seja, somente se chegou à metade do esperado.

Com a pandemia, tornou-se ainda mais explícito o quanto as empresas seguem despreparadas para a real inclusão de PCDs. Mesmo em maior condição de vulnerabilidade social e com maior propensão a fazerem parte do grupo de risco, as demissões desses profissionais passaram a acontecer com uma frequência maior ainda.

A estabilidade no emprego garantida às PCDs, prevista na então Medida Provisória nº 936 de julho de 2020, que criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, não foi retomada em 2021. A partir daí, a demissão desses trabalhadores sem justa causa passou a ser novamente permitida.

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), entre agosto e dezembro de 2020 as demissões se mantiveram estáveis, em torno de 2.400 por mês. Já em janeiro de 2021, com o fim da estabilidade, o número de PCDs excluídas do mercado de trabalho quase dobrou, chegando a 4.170.

A inclusão de pessoas com deficiência na Express

Na contramão de um cenário que parece dar passos para trás, a Express Restaurantes busca uma constante inserção dos profissionais com deficiência na empresa. Faz isso por meio de uma parceria com o Centro de Formação Profissional SENAI Nilo Peçanha, em Caxias do Sul (RS), com quem mantém um projeto de Jovem Aprendiz PCD.

No programa, participam jovens que aprendem na teoria e na prática o ofício de auxiliar de cozinha. Dessa forma, os jovens alcançam uma colocação no mercado de trabalho e a oportunidade de se sentirem parte da sociedade.

Para que a transformação trazida com a inclusão seja possível, é preciso que haja esforço e engajamento de todos os níveis e setores da empresa, desde a parte operacional até a liderança. Porém, a área de Recursos Humanos é a responsável por organizar e conduzir as iniciativas.

Na Express, as partes mais envolvidas são os setores de Gestão de Pessoas, Relações Trabalhistas e as equipes operacionais. Enquanto o GP recruta, seleciona e reúne a documentação dos jovens, o RT dá andamento aos trâmites legais e as equipes operacionais proporcionam o acolhimento na realização da rotina prática.

Quais são os tipos de PCDs que a Express inclui?

Entre os participantes do programa Jovem Aprendiz PCD, são incluídos aqueles e aquelas que possuem algum tipo de deficiência mental e física leve (com exceção de deficiência motora e visual) para trabalharem diretamente nas cozinhas atendidas pela Express.

Uma maneira encontrada de facilitar a inclusão e incentivar a permanência das PCDs na empresa é alocá-las de maneira que a unidade onde atua seja mais perto da sua residência ou que seja de mais fácil acesso a elas.

A inclusão é feita de acordo com as tarefas que cada pessoa pode realizar, estando sempre sob supervisão para que não aconteçam acidentes e para que se sintam seguras e acolhidas no ambiente em que trabalham.

Os desafios enfrentados na inclusão de PCDs nas empresas

Alguns dos maiores desafios enfrentados na inclusão de pessoas com deficiências nas empresas são a captação destes profissionais e a presença de acessibilidade nos ambientes laborais.

Nesse sentido, a falta de qualificação profissional infelizmente ainda é uma realidade, isso porque ainda é muito baixa a participação de PCDs em faculdades e universidades, apesar dos números estarem crescendo. Por isso, cursos técnicos, como na parceria da Express com o SENAI, são tão importantes para contribuir no acesso de PCDs ao trabalho.

Por outro lado, grande parte das organizações ainda deixa a desejar em relação a investimento de tempo e recursos para tornar os seus ambientes efetivamente inclusivos, o que requer uma acessibilidade não apenas física, mas também na comunicação e no comportamento dos colaboradores.

Benefícios da inclusão: o que as empresas ganham?

São inúmeros os benefícios que uma empresa ganha ao se abrir para a inclusão de PCDs. Na Express, é notável o aumento do engajamento e da cooperação entre os profissionais, além da troca de experiências incomparáveis, onde todos aprendem uns com os outros. O fortalecimento da marca empregadora também é um ganho que merece ser destacado.

Conforme o Guia de Diversidade 2020, produzido pela Revista Exame e pelo Instituto Ethos, 90% das empresas participantes acreditam que políticas de Diversidade e Inclusão contribuem para melhorar o clima organizacional, 84% responderam que ela aumenta a produtividade e 77% afirmam que elas auxiliam no desenvolvimento de novos produtos.

Ou seja, a diversidade pode contribuir de forma significativa para o crescimento dos negócios. Aqui, falamos sobre a inclusão de pessoas com deficiência, mas é possível abordar ainda perfis como negros, LGBTQIA+ e outros. Na Express, não temos dúvida de que esse é o caminho a ser trilhado.

Gostou do nosso material? No blog da Express você também pode conferir um artigo sobre a importância dos conceitos de soft skills e hard skills para o recrutamento de profissionais.

Contribuíram para este artigo:

Suelen Martini de Souza, supervisora do setor de Gestão de Pessoas da Express

Bernadete Triches, supervisora da Express.

Continue lendo

Síndrome de Burnout e o esgotamento profissional: De que forma o setor de RH pode agir?

Fortemente relacionado com o estresse do cotidiano de trabalho, Burnout requer atenção por parte dos Recursos Humanos Cumprimento de metas.…

Segurança do Trabalho em Restaurantes Industriais: como manter o ambiente mais protegido?

A Segurança do Trabalho em Restaurantes Industriais é um tema que está em constante atualização e sempre em pauta. Veja…

Express é eleita uma das 10 melhores empresas para trabalhar na Serra Gaúcha

A Express Restaurantes Empresariais foi eleita, na última segunda-feira (23/11), uma das 10 melhores empresas para trabalhar na Serra Gaúcha. …